Perder peso não é emagrecer: 3 coisas que você deveria saber antes de fazer dieta

Antes de me tornar nutricionista e uma facilitadora de experiências saudáveis, eu briguei muito com a balança. Em algum momento eu criei a – falsa – crença de que para me sentir bonita e saudável, eu precisava subir na balança e ver um número específico marcar ali.

Mas com o passar do tempo eu e ela fizemos as pazes e aprendi, muitas vezes através do meu trabalho, que o número da balança não define nada: nem minha beleza, nem minha saúde.

O peso da balança é relativo

Se você se identificou com o meu relato, esse texto é pra ti! Nosso corpo é uma máquina muito complexa para ser atrelada a apenas um indicativo. Somos feitos de diversos tecidos: pele, gordura, músculos, ossos, água, sangue, e tudo isso pesa. O peso da balança nada mais é do que a soma de todos esses tecidos.

Agora pensa comigo: como esse valor pode definir se você está magra ou acima do peso se não sabemos quanto desse valor corresponde, de fato, à gordura?! É claro que o peso total pode ser um dos valores a serem considerados quando você entra em um processo de emagrecimento ou ganho de massa muscular. Mas usar esse valor isolado? JAMAIS!

Perder peso não é o mesmo que emagrecer

Emagrecer é o mesmo que eliminar gordura corporal. Muitas dietas restritivas acabam por eliminar líquidos retidos no organismo e fazem com que o peso total caia rapidamente nos primeiros dias de dieta. Se você começou uma dieta e sete dias depois perdeu três quilos, isso pode significar perda de líquidos ou massa muscular, e não necessariamente de gordura. Ou seja, você perdeu peso, sim, mas não emagreceu.

Como avaliar a composição corporal?

Há diferentes métodos de avaliação da composição corporal. Um dos mais utilizados pelos nutricionistas é o exame de bioimpedância.

Esse exame pode ser realizado com uma balança específica, através da condução de uma micro corrente elétrica de baixa intensidade. Por possuir um nível elevado de água no tecido muscular, essa corrente elétrica conduz com maior facilidade. Já o tecido gorduroso tem pouca água e possui dificuldade em conduzir a corrente elétrica. Assim, é possível diferenciar e avaliar quanto do peso total corresponde a cada tecido.

Procure sempre um profissional capacitado: além da bioimpedância, existem outros métodos que podem ser utilizados e isso varia de paciente para paciente. Para descobrir o mais adequado, procure um profissional. Existem exames de alta precisão que são realizados apenas em laboratórios, com equipamentos de alta tecnologia. Além disso, um nutricionista poderá avaliar sua composição corporal juntamente com seus hábitos para potencializar seus resultados, independente do seu objetivo.